The 4400 – Welcome to Promise City (Capítulo 1 traduzido)

Publicado: 18 de dezembro de 2009 em The 4400

Como muitos já devem saber, a série de TV “The 4400” foi cancelada depois de quatro temporadas, mas para não deixar o fãs sem um final, foroam lançados dois livros, que seriam respectivamente a quinta e sexta temporada. “Welcome to Promise City”, de Geg Cox e “Promises Broken”, de David Mack são os nomes dos livros. Até agora, só saiu a versão em inglês e eu resolvi postar capítulo por capítulo traduzidos aqui no bog. Vou tentar postar semanalmente, pois traduzir não é um trabalho fácil…hahah =D… mas não garanto, talvez demore um pouco mais do que uma semana para postar.

Ah, e para quem não conhece a série, abaixo há dois vídeos, um é a música de abertura e o outro é  um pequeno resumo de sobre o que se trata a história.

Durante os últimos 60 anos, 4400 pessoas vieram desaparendo…

Todas reapareceram de uma vez…

Sem se lembrarem de onde estiveram…

Elas não envelheram um dia…

E algumas retornaram com novas habilidades…

Todas estão tentando se reconectar…

…com uma vida interrompida.

“Não somos uma ameaça. Somos a salvação. O mundo terá que lidar conosco”.

 

E agora, confiram o primeiro capítulo abaixo e não esqueçam de deixar o comentário!

UM

 

É a hora, pai disse Kyle.

                   Ele entregou ao pai uma seringa contendo um luminoso líquido âmbar. Tom Baldwin girou a seringa entre os dedos enquanto contemplava a dose de promicina em suas mãos. Para muitas pessoas, a injeção ilegal oferecia chances de 50% de ganhar uma notável habilidade sobrenatural – ou de morrer de uma maneira horrível. Mas Tom estava destinado a sobreviver à dose, ou pelo menos fora o que tinham lhe contado. De acordo com seu filho, o futuro queria que ele desenvolvesse uma habilidade própria.

                        Talvez hoje…?

 

            ― Sua identidade, senhor?

            A voz arrancou Tom de sua lembrança, trazendo-o de volta ao presente. Batidas na janela do lado do motorista de seu sedan Chrysler azul. Ele baixou o vidro e entregou a identidade a uma dos guardas da fronteira postada na barricada. Uma brisa úmida de janeiro invadiu o carro, assim como o odor de cansaço. Dúzias de veículos formavam uma fila na I-5 enquanto aguardavam permissão para deixarem Seattle. A julgar pelas caixas e malas pressas aos tetos dos carros, e pelos grandes trailers U-Haul, muitos deles estavam saindo de vez.

            Menos de dois meses haviam se passado desde que um surto de promicina que se espalhava pelo ar assolou Seattle, matando mais de 9000 pessoas, e a cidade ainda não tinha se recuperado do desastre. O fato de que outras nove mil pessoas, mais as que haviam sido dotadas com habilidades sobrenaturais contra suas vontades, apenas contribuía para essa instabilidade. Sem espanto, milhares de sobreviventes, especialmente pessoas normais sem habilidades especiais, escolheram procurar pastos mais seguros em outro lugar. Mais de quatro milhões de pessoas viviam em Seattle; e quase três quartos desse número haviam diminuído.

            Tom não podia culpá-los. Seattle era um lugar perigoso atualmente.

            E fica mais ainda a cada momento, ele pensou.

            A guarda examinou as credenciais de Tom. Um uniforme de colarinho alto, cor de pinho e em ótimas condições a identificavam como uma das voluntárias Policiais da Paz de Jordan Collier. “NTAC, é?”, a voz da mulher se tornou áspera. O Comando Nacional de Avaliação à Ameaças (National Threat Assessment Command, em inglês) não era exatamente popular entre os seguidores de Jordan Collier, o incontroverso líder do Movimento Promicina-Positiva, que havia tomado, em grande parte, Seattle, conhecida em alguns círculos, agora, como “A Terra Prometida”. Durante o desastre, seu povo, que era imune à praga (tendo se exposto à promicina anteriormente), havia dado um passo à frente para manter a ordem – e fazer Seattle se render às autoridades. Embora Collier ainda não tivesse declarado oficialmente a independência da cidade, e tivesse impedido-a de tomar qualquer título ou posição formal, ele e seus companheiros estavam no controle do governo e da infra-estrutura da cidade. Até onde movimento sabia, NTAC, um divisão da Segurança Doméstica, era parte da velha opressão a qual eles haviam usurpado – e jogado-a nos lixos da história.

            — Isso mesmo — disse Tom. Ele não conseguia evitar pensar qual o tipo de habilidade que a guarda possuía; todo o povo de Collier havia sido mudado por promicina de um jeito ou de outro, e acreditava que tinha um destino sagrado de mudar o mundo. Até o nome do desastre era controverso. Collier e seus seguidores de referiam a ele como “O Grande Passo Adiante”. A maioria do resto o chamava de “50/50”.       

            Ele manteve a voz neutra, sem querer provocá-la. A guarda não parecia estar armada, mas isso pouco importava no que dizia respeito aos p-positivos. Pelo que Tom sabia, essa mulher podia matá-lo com um pensamento.

            — Acho que vai ver que meus papéis estão em ordem.

            A guarda olhou de soslaio para sua identidade.

            — Acho que sim — concordou ela, com rancor. — No entanto, se eu fosse você, continuaria andando e nunca mais voltaria.

            Ela jogou os papéis de volta para ele.

            — Seu tipo não pertence mais a este lugar.

            Tom sentiu-se tentado a deixar claro que ele nascera e crescera em Seattle e que tinha muito mais direito de viver ali do que qualquer outra pessoa, mas segurou sua língua. Tinha assuntos mais importantes com os quais lidar hoje, desde que ele conseguisse sair da cidade.

            — Te vejo mais tarde — disse ele, simplesmente. — No meu caminho de volta.

            A guarda franziu as sobrancelhas, mas acenou mandando-o continuar. Um portão de alumínio automático elevou-se e o deixou passar. Um par de cones metálicos laranjas cercava a estrada. Embora estivessem desativados agora, os cones eram capazes de gerar ondas de dores intensas quando ativados. Eram a primeira linha de defesa da Terra Prometida.

            Tom não se importou em fechar a janela antes de se dirigir para o norte, já que tinha apenas meio quilômetro antes de parar em um segundo bloqueio. Este era formado por imponentes soldados empunhando armas automáticas. Seus uniformes e insígnias os identificavam como membros do exército americano. Um guarda se aproximou do lado do motorista do carro.

            Lá vamos nós de novo, pensou Tom.

            Um impasse difícil existia entre o governo federal e a Terra Prometida, os federais dificilmente ficariam felizes em entregarem uma grande cidade americana a um traficante messiânico com um culto de perseguidores, mas as habilidades extraordinárias de Jordan Collier e seu povo, assim como a tecnologia futurística em seu comando, faziam a retomada de Seattle exigir grande empenho. Mesmo antes da praga, a comunidades de revolucionários p-positivos conseguira evitar qualquer tentativa do governo de levá-los sob custódia. Agora, com seu exército literalmente ganhando milhares de novos recrutas, Collier era muito conhecido – e não somente em Seattle. Sabia-se que ele possuía agentes; capazes de gerar tornados, furacões e Deus sabia o que mais, posicionados pelo país inteiro, prontos para causar destruição se os Federais tentassem enviar tropas para retomar Seattle.

            O que serão obrigados a fazer eventualmente, pensou Tom. Todos sabiam que um confronto maior era inevitável, mas ninguém queria uma nova versão de Waco na cidade, então as forças de ambos os lados estavam aproveitando seu tempo e segurando suas respirações. Como o resto de nós.

            Ele mostrou sua identidade ao soldado, um rapaz jovem aparentemente da mesma idade de Kyle. O guarda relaxou um pouco quando viu as credenciais da NTAC de Tom. Seus parceiros armados se postavam cautelosamente, segurando firmemente seus rifles de assalto M16. Ele não culpava os guardas por serem tão cautelosos; eles estavam na fronteira de uma evolucionária guerra civil.

            — Por favor, saia do veículo — pediu o jovem guarda. Ele deu um passo para longe da porta.

            Tom suspirou impaciente, mas não tentou desobedecer. Saiu do carro. Uma jaqueta escura, uma camiseta pólo de gola aberta e calças escuras o distinguiam dos outros. Cabelos loiros arenosos coroavam suas feições enrugadas. Os exaustos olhos azuis entregavam as situações que ele passara nos últimos quatro anos. Abriu o blusão para revelar o coldre pendurado em seu quadril. O guarda olhou desconfiadamente para a arma, mas nada fez. Tom ficou parado enquanto o jovem soldado digitava seu nome em um PDA, comparando com uma enorme lista dos conhecidos como “terroristas” p-positivos. Cães Pastores Alemão checaram o Chrysler para certificarem-se que Tom não estava contrabandeando promicina para fora da cidade.

            Embora fosse distribuído abertamente em alguns bairros de Seattle, o neurotransmissor artificial continuava sendo estritamente ilegal no resto do mundo. A mera possessão de promicina trazia um mandato de prisão, o que não fez Collier e seus discípulos pararem de tentar dar a droga para quem a quisesse, de graça. E segundo ocorrências que Tom havia visto, Collier estava conseguindo atingir seus objetivos, exceto com as tais medidas rigorosas que Tom experimentava neste momento.

            Depois de feita uma boa busca no carro, os cães se aproximaram e também farejaram Tom, no caso de ele estar carregando a promicina no próprio corpo. Ele tentou recuar quando os caninos suspeitos invadiram seus espaços pessoais.

            Que bom que deixei aquela seringa em casa…

 

            Tom estava sentado no sofá de sua sala de estar, com a seringa nas mãos. O estranho brilho amarelo da promicina causava arrepios em sua espinha. Ele havia testemunhado de perto o efeito causado naqueles que não tiveram sorte suficiente para fazer história com o 50/50, vendo o sangue brilhoso jorrar de seus olhos e narizes como convulsões violentas que consumiam os últimos momentos de suas vidas. Tomar a dose era como brincar de roleta russa, mas com os piores acidentes. Sua própria irmã havia sido morta pela promicina menos de uma semana antes, junto com milhares de vítimas inocentes.

            Não acredito que estou mesmo considerando isso, ele pensou.

            — Vá em frente, pai. — Kyle o instigou. Seu filho, um jovem magro com cabelo castanho curto, estava sentado ao seu lado no sofá. Ele estava vestido casualmente, com uma camiseta branca listrada e calças jeans. Uma mochila de ombro, contendo um livro de profecias místicas, estava amarrada ao seu peito. Kyle já tomara a dose, contra a vontade de Tom, há muitos meses e abandonara a faculdade para se tornar o braço direito de Jordan Collier. Tom não entendia muito bom como funcionava a habilidade de seu filho, mas sabia que ele havia adquirido algum tipo de dom pré-cognitivo que o havia levado até um livro misterioso que parecia profetizar a ascensão de Collier e do eventual “Paraíso na Terra”. Tal livro também listava diversos indivíduos que estavam destinados a desempenhar importantes papéis na salvação do mundo.

            O nome de Tom estava nessa lista.

            Alguns anos antes, ele não teria levado a sério essa conversa sobre profecias e destino. Havia sido um agente federal cético com curta paciência para papo furado sobre ficção científica. Mas isso fora antes de 4400 pessoas desaparecidas aparecerem repentinamente nas cercanias de Seattle com estranhas habilidades e sem memórias de onde haviam estado. Os 4400 viraram o mundo de Tom de cabeça para baixo, mesmo antes de ele descobrir que o retorno deles fora providenciado por agentes do tempo do futuro, como parte de um plano elaborado para impedir uma catástrofe eventualmente. No começo, somente os 4400 “retornados” possuíam habilidades sobrenaturais, mas uma vez que o neurotransmissor responsável pelos seus dons fora isolado e replicado—por uma iniciativa patrocinada pelo governo, ironicamente—o gênio da promicina saíra da garrafa. Agora, Tom não sabia no que acreditar. Nesse cruel mundo novo de viagens no tempo, telepatia, projeção astral, e qualquer outro caso de esquisitice, por que um livro mofado não podia predizer seu futuro? Especialmente se ele tivesse sido implantado no passado por agentes do futuro.

            Mas com que propósito?

            — Vai dar tudo certo, pai. — Kyle insistiu. Convicção, e um fervor religioso, brilharam em seus gentis olhos castanhos. Diferentemente do pai, ele tinha fé total em Collier e na sua visão do futuro. — O livro diz que você vai sobreviver.

— Não sei — replicou Tom, balançando a cabeça. — Não tenho certeza se estou pronto para isso. Não depois de tudo pelo que passei recentemente.

            Sua mão foi até sua orelha esquerda, onde os dedos encontraram uma marca em forma de X escondida atrás do lóbulo. A intrigante cicatriz era um lembrete de que, há menos de uma semana, Tom havia sido Marcado por conspiradores do futuro, que haviam tomado mentes e corpos de homens e mulheres proeminentes numa tentativa traiçoeira para impedir que Collier e seus seguidores mudassem o futuro. Os Marcados, que pertenciam a uma facção rival aos viajantes do tempo que haviam retornado os 4400 ao presente, haviam injetado máquinas microscópicas—nanômetros—em Tom que haviam substituído sua personalidade por a de um impostor sem piedade que faria de tudo, até mesmo assassinato, para cumprir a sinistra agenda dos Marcados.

            Os assassinatos ainda assombravam a memória de Tom, como um pesadelo do qual não se podia acordar. Ele olhou de relance para mesinha de centro em frente ao sofá. Os rostos de Curtis Peck e de Warren Trask o encaravam. Ele se lembrava de ter matado os dois.

            A culpa o invadiu. Embora ele soubesse que intelectualmente não havia sido o responsável pelas mortes dos homens, que havia sido literalmente possuído por outra entidade quando cometera os assassinatos, ainda assim não sabia se podia viver com as lembranças.

            Kyle achava que tomar a dose faria tudo melhorar. Isso justificaria toda a dor e sofrimento que Tom vinha enfrentando e abriria uma porta para um futuro melhor para toda a raça humana. Tom não tinha tanta certeza…

            — Acabei de voltar a mim, Kyle. Acabei de… tirar essas coisas do meu cérebro — Ele colocou a seringa na mesinha, ao lado das fotos acusadoras. Olhou para o filho, esperando que Kyle entendesse. — Não estou pronto para injetar outra poção do futuro no meu corpo. Mesmo que isso não me mate, não quero mais mudar. Quero ser o simples, comum, Tom Baldwin novamente.

            — Mas… — Desapontamento tomava o rosto longo de Kyle. Ele vinha “empurrando” a dose para o pai há meses. — A profecia, o Paraíso na Terra… Você tem que tomar a dose. O futuro depende disso.

            — Talvez — disse Tom. Ele odiava ter que desapontar Kyle desse jeito. O recém-formado comitê de seu filho para a causa de Collier se punha com frequência entre eles. Ainda assim, ele colocou a seringa numa malinha almofadada e fechou a trava. — Mas não hoje.

 

            — Certo — informou o guarda. — Está limpo.

            Tom entrou novamente no carro e passou pelo bloqueio. Deixando a Terra Prometida para trás, pelo menos por algum tempo, ele dirigiu para o norte na Interestadual 5. O trânsito era intenso para uma tarde de domingo, mas diminuiu assim que ele entrou na 526. Uma curta travessia o levou das docas em Mukilteo para o sudeste de Whidbley Island. De onde estava, era apenas um curto trajeto através da ilha para seu destino: o Parque Estadual Fort Casey.

            Localizado no topo de íngremes abismos, sobrepondo-se sobre o litoral de Juan de Fuca, Fort Casey fora construído por volta de 1890 para guardar a entrada de Puget Sound de ataques marítimos. Embora tivesse sido um presente antigo pelo advento de poder aéreo depois da Primeira Guerra Mundial, a posição imponente da fortaleza fora preservada como um monumento histórico. Colunas massivas de concretos encaravam as ondas abaixo. Artilharia antiga estava montada em carruagens ocultas no topo das paredes cinza encharcadas. Torres de vigilância afluíam das colunas. Escadarias e passarelas dilapidadas haviam servido, antes, para tropas que passavam por ali. Um farol branco alto fora construído um pouco mais acima da margem, apenas a uma pequena caminhada da fortaleza. Sua aparência pálida e aconchegante entrava em contraste com as ameaçadoras ruínas militares.

            Tom se lembrava ter levado Kyle ali anos atrás. Uma nostalgia angustiante trespassou seu coração enquanto ele se recordava de como o garoto havia gostado de explorar a velha fortaleza. Juntos, eles haviam empunhado as armas anciãs e fingido atirarem em navios de guerra imaginários. A vida parecia muito mais simples antes. Agora Kyle era um homem crescido, empenhado nas perigosas ambições de Jordan Collier, e os verdadeiros invasores vieram através do tempo, não do mar. Fort Casey era mais obsoleto do que sempre.

            Um campo gramado separava o estacionamento das colunas. Em dias mais ensolarados, o campo geralmente atraía pessoas que gostavam de empinar pipa que enchiam o céu com elaboradas construções aéreas, mas o inverno desanimador havia espantado os visitantes. Uma névoa úmida cobria o chão. Uma forte garoa caía de um céu nublado. Havia somente mais um carro parado ali perto: um Lincoln Town com placa de Washington.

            Parece que temos o lugar só para nós, pensou Tom. Provavelmente também, sobre o que quer que o encontro secreto fosse, não era de interesse público. Por que escolher um ponto de encontro tão heterodoxo?

            A curiosidade, assim como a chuva incessante, o levou através do campo. Ele fez caretas quando a água gelada escorreu pela sua nuca; como muitos nativos de Seattle, ele não seria visto carregando um guarda-chuva. Uma rápida corrida o levou até uma passagem em forma de arco na base da coluna mais próxima. Uma porta de ferro flanqueava a soleira. Ele entrou nos confins de um tenebroso armazém de tiros e pólvoras. A sala escura estava vazia com uma cela de prisão. Algas verdes se esticavam pelas paredes de concretos. Uma haste vazia de elevador conectava o armazém de pólvoras com as armas amontoadas um nível acima. A água da chuva entrava pela porta, molhando o chão de pedra rígida.

            Tom balançou a água do cabelo e olhou em volta da sala. A princípio, não viu ninguém e imaginou que talvez houvesse entrado no armazém errado. A velha fortaleza era cheia de cantos isolados, o que contribuía para o local ser escolhido para o encontro. As densas paredes de concreto desencorajavam qualquer vigilância eletrônica.

            Sem chance alguma, como posso ver.

            Ele estava prestes a sair na chuva quando ouviu um ruído de locomoção às suas costas. Sua mão foi instintivamente para o coldre enquanto ele se virava para ver duas figuras emergindo de um dos armazéns interligados. Uma era masculina, a outra feminina. O primeiro não era alguém que ele estivesse ansioso para ver.

            — Já era hora de chegar aqui — disse Dennis Ryland. — Você está atrasado.

Anúncios
comentários
  1. Keyla disse:

    Nussaaaaa…mto show….gostei hsauhsuhsa

  2. Thiago Caldas disse:

    Parabeeens cara.
    Ficou muito boa a traduçao

  3. Juliana disse:

    mtooooo bom msm parabénssssssssss

  4. Patrick disse:

    Po cara, parabens, ficou mto bom…

  5. gabriel cunha disse:

    otima traduçao, matou a curiosidade da galera.

    mas ae
    continua
    continua….

    vlww

  6. […] Breno – O anel Um simples objeto pode mudar tudo… « The 4400 – Welcome to Promise City (Capítulo 1 traduzido) […]

  7. guilherme disse:

    Cara otima tradução nem acredito que vou ler o final de the 4400!

    parabens vc é d+

  8. Hack disse:

    Meus parabéns, cara!
    Excelente tradução!

  9. Henrique disse:

    BOA…..Estava louco pra continuar a série…..vc está de parabéns!!
    Não pare….estamos curiosos pelo fim!!!
    abraço

  10. Rodolfo disse:

    Parabéns!!!!! Brigadão mesmo, quando eu fiquei sabendo dos livros fiquei louco por eles.

  11. Vitor disse:

    Excelente iniciativa. Sem dúvida é de extremo interesse para todos os fãs sedentos pela continuação e será muito útil até publicações em português, e mesmo depois com acesso web.

    Parabéns, e obrigado.

  12. Clara disse:

    Puxa isso é mesmo muito bom!!! Parabéns pela iniciativa! Gostei tanto desse seriado e não me conformava de ficar sem saber como ele deveria terminar!!!

  13. gabriel_show_23@hotmail.com disse:

    Bom, pra começar eu quero lhe parabenizar pela exelente tradução!
    agradecer por posatar a história para que outras pessoas pudessem lê-la.
    meu comentário sobre a história é o seguinte:

    Achei realmente aprisionante o tema dessa história, adoro histórias de poderes assim… Achei um pouco ridiculo a parte de se “transformarem” com uma ingeção… Mas logome acostumei, é tudo muito bem colocado.
    e a vontate é de ler mais!

  14. herly disse:

    cara muito bom ..agradeço a sua iniciativa

  15. Jonas disse:

    Muito bom! Continue com o trabalho!

  16. Stan FERNANDES disse:

    começando a ler…muito bem!

  17. Allan Fedato disse:

    Valeu , a muito tempo esperava por essa traducao

  18. Fabio Silva disse:

    Ótimo, terminei a quarta temporada hoje e imaginei que ficaria sem o final (pretendo comprar os livros, mas tenho uma prévia do que há de vir). Parabéns pela iniciativa.

  19. ricardo disse:

    gostaria de saber qual o livro devo comprar primeiro pra dar continuidade a 4ª temporada do seriado

  20. Zuvai disse:

    Owwww, muito bom. Se não fosse por vc ficaríamos sem a continuação desta obra magnífica que é The 4400. Terminei a quarta temp ontem e acabo de ler o primeiro cap de P. City. Vlw cara, continue com estas traduções por nós. ^^

  21. Gabriel disse:

    Gostei muito vlw, to louco pra continuar lendo.

  22. Valquiria disse:

    Terminei de ver a última temporada de The 4400 ontem e comecei a ler a tradução do livro hj. Adorei!!! Muito legal a sua iniciativa…Parabéns!!!
    Continuarei acompanhando!!
    Bjs

  23. Jean disse:

    Cara, estou desolado com o término da 4ª temporada! Não entendo como podem ter cancelado isso?! Acho que foi influência dos Marcados! rs…

    Obrigado por traduzir os textos. Vamos ao menos conhecer o final da história.

    Abraços.

  24. Fabio disse:

    Vlw cara muito bom o texto otima tradução e series perfeito abraço

  25. […] The 4400 – Welcome to Promise City (Capítulo 1 traduzido) dezembro, 2009 27 comentários […]

  26. Dark Time disse:

    Do que conheço Tom da série, era lógico que ele não tomaria a promicina, pelo menos agora, tal como ele referiu. É muita coisa a acontecer ao mesmo tempo e para absorver. Consegui imaginar o inicio tal e qual série de tv, mas em livro para quem nunca viu a série, era impossível de perceber e assimilar tantos acontecimentos lol Já não me lembro concretamente de como Dennis Ryland saiu da série, lembro-me que sem o conhecimento geral, ele prejudicava os 4400, mas pronto, estou curioso para ver como se vai desenrolar agora…

  27. Maicon disse:

    Cara muito obrigado mesmo. Valeu pela iniciativa. Fique muito p da vida quando cancelaram, foi a melhor série que já vi.

  28. david disse:

    muito bom !!!! valeu cara pela boa vontade em traduzir !!! parabens !!!

  29. mariana disse:

    Nossa, eu procurei esses livros até onde não podia mais. Só achei pra comprar em inglês. Obrigada por traduzir, ficou muito bom mesmo.

  30. charlles disse:

    Ainda bem que existem almas bondosas nesse mundo, é triste como eles conseguem interromper uma série tão incrivel, mas fico feliz com a tradução, brigado.

  31. Dionisio1374 disse:

    Massa demais! valeu pela tradução!

  32. ana paula disse:

    quero agradecer imensamenteeeee vc ter traduzido os livros finais de 4400, assisti as 2 temporadas no sbt e acabei de comprar o box no submarino com as 4 temporadas, e na verdade só comprei porque vc traduziu o FINAL! continue com seu otimo site!

  33. Edyr Oliveira disse:

    Nossa! Muito legal! Tenho as quatro temporadas que, vez ou outra, reassisto. Sempre fiquei triste em saber que nunca viria uma quinta temporada… Agora dá para acompanhar e saber as respostas das perguntas em aberto. Obrigado!

  34. Aquilino disse:

    Muito boa a tradução…me fez entrar nas cenas como o seriado.

  35. Marcelo B. Andrade disse:

    Foi muito legal ter encontrado este blog. Assisti recentemente as 4 temporadas pelo Netflix. E fiquei frustrado com a não continuidade da criativa e cativante saga dos 4400. Com a tradução dos capítulos aqui no blog estou de novo no clima da série e está sendo muito interessante a leitura. Grato pela excelente tradução.

  36. Bárbara disse:

    Olá, vi a serie e descobri as tuas traduções!
    Muito boas obrigada!!

  37. Vitor disse:

    Gostaria de agradecer a tradução. O trabalho é de muita qualidade mesmo. Só comecei a assisitir quando soube que o final já estava traduzido, te agradeço por isso 🙂
    Como sugestão para os novos leitores, acredito que mudando as cores das letras para preto ficaria melhor para visualizar os capítulos, mas é só uma sugestão, sei o que o projeto acabou faz tempo, mas com o Netflix muitos estão vendo a série agora. Parabéns pela dedicação!

  38. Micaele disse:

    Fiquei chocada quando descobri que não tinha final…

    Ainda bem que esse blog existe!

    VALEU MESMO!!!!

    • Ariel disse:

      Hi!
      Great work!
      Do you know where I can download “Welcome to promise city” ebook?
      I have tried many sites but I could not find it.
      Thanks!
      Regards,
      Ariel

  39. Manoel disse:

    Que beleza…. Parabéns.

  40. Leslye disse:

    Caraca… Sua ideia foi demais!
    Obrigada e parabéns!!
    😀
    Vou indo por que preciso ler!! 😀

  41. Gislene disse:

    Tem 1 mês que descobrir a série the 4400, e amei, estou viciada galera, não consigo parar de assistir!!! Fiquei super chateada quando soube que a série foi cancelada. Mas fiquei super feliz e no príncipio não acreditei, quando encontrei este site, com a tradução dos 2 livros que contam o final da mesma. Muito obrigada, Vinicius e Helena, por vocês proporcionar esta alegria a nós fãs the 4400; são pessoas assim que o mundo precisa, que compartilha algo bom com os amigos e desconhecidos como nós. Muito obrigada, vocês com certeza serão recompensados por este belo trabalho! Valeu!!!!

  42. Josi disse:

    Olá foi muito legal ter encontrado este blog. Termine de assisti a 4ª temporada pela Netflix. E fiquei frustrado quando soube que foi cancelado o final não entendo como uma produção tão especial pode ficar sem fim em especial com a quantidade de fã que tem a saga. Estou mto feliz por poder ler aqui a tradução do livro só estou temendo não ter toda a tradução espero que tenha rsrs. Obrigada e parabéns pelo excelente trabalho.

  43. alex disse:

    vi a sériepela netflix e adorei, fiquei inconformado de não terem terminado a série! vlw por ter dado a oportunidade de continuarmos!

  44. esra güemes disse:

    Sou grato por essa postagem existir. Parabéns.

  45. Excelente seu trabalho. Deveria requerer direitos sobre essa tradução. Falar com alguma editora sobre seu trabalho. Pense nisso.

  46. Ricardo disse:

    olá, descobri esta série a pouco tempo e começei a assisti-la através do Netflix. Fiquei decepcionado ao saber que ela não havia sido finalizada e logo fui procurar os livros para comprá-los, quando achei tudo aqui no seu blog. Realmente uma ótima iniciativa. Estou iniciando a leitura agora e vou comentando no decorrer da história. Parabéns e obrigado!!!

  47. Andréia disse:

    Nossa que bom encontrar essas traduções !! Fico passada com essas series que acabam sem final… Fiquei revoltada com o fim de Flashforward ! Obrigada !

  48. Zane disse:

    Terminei de assistir a 4ª temporada pela Netflix, fiquei decepcionada quando soube que foi cancelado a produção. Mas fiquei muitoooo… feliz por poder ler aqui a tradução do livro. Obrigada e parabéns pelo excelente trabalho que bom que existe pessoas como voce.

  49. marcelo disse:

    BOM, NA VERDADE ACHEI AGORA O PRIMEIRO CAPÍTULO DO PRIMEIRO LIVRO…

    O OUTRO ERA DO SEGUNDO LIVRO!

    GRATO PELA ATENÇÃO E BOA VONTADE DAS TRADUÇÕES!!!

    ABRAÇÃO!

  50. Luciana Corrêa disse:

    Conheci o THe 4400 pela Netflix. Amei esta serie e quando cheguei na 4a. temporada descobri que ela foi cancelada. Ela realmente é viciante. Encontrar seu blog um achado. Espero conseguir encontrar todos os capitulos, pois como nao tenho mais em filme terei em livro. Parabens pela iniciativa. Luciana

  51. Giovanni disse:

    Sensacional, cara!! Muito obrigado pela tradução!!!

  52. Laercio disse:

    Acabei de ver o último capitulo de e descubro que não acaba, que m#@?*. Realmente sua colaboração é espetacular. Você tomou promicina?

  53. Lucas B. disse:

    Noossa ! Muito Obrigado Cara por esta contribuição ! Eu fiquei obcecado pela serie.. Nao sabe o quanto fico feliz de pelo menos poder terminar ela lendo ! Valeu msm !

  54. Marcelo D. disse:

    Muito bom
    mesmo com tanto tempo que existe essa série, ainda tem muitas pessoas assistindo ela
    que ficaram inconformadas sabendo que não teria mais temporadas depois da quarta.
    Agora poderemos continuar lendo ela até o final…
    Valeu!

  55. ANA PAULA disse:

    Terminei de assistir a série, achei ótima e agora vou apreciar o excelente trabalho de voces, muito obrigada.

  56. Wes disse:

    Há menos de 1 mês terminei de ver a 4ª temporada, antes de assistir o final já estava meio frustrado por saber q não houve continuação e q nao conseguiria ler os 2 livros que revelariam o final, em uma “andança” pelo Orkut achei a comu da série e logo este blog. Ganhei o dia!!! Desde já quero agradecer pelo esforço, este trabalho ainda será visto por mtas pessoas. Parabéns e bora começar a leitura… =D

  57. Susana disse:

    Descobri dos livros apenas hoje
    Obrigada por ter traduzido

  58. Mnks disse:

    Muito obrigado mesmo, pela iniciativa, senão muitos fãs da séria, assim como eu, ficaríamos à deriva, chegando a cidade prometida, e não saber de mais nada… rs

  59. estringhini disse:

    Muito obrigado…Pelo menos quanto a esta série fizeram dois livros para terminar…Valeu pela tradução!

  60. FabidiPaula disse:

    Obrigada por saciar miinha curiosidade em saber como essa série terminou! Arrasou na tradução!!! =D

  61. Marina Lima disse:

    Acabei a quarta temporada no fim de semana!!! que legal que vocês traduziram, assim vão matar nossa curiosidade!!! só uma pena a letra estar azul, achei meio ruim pra ler..
    mas valeu muito!!!!

  62. likanumber1 disse:

    muito bom saber que vou continuar a ler o 4400 obrigada Breno

  63. Andre disse:

    Valeu pela tradução!

  64. Le disse:

    Nossa.. passei a noite assistindo para terminar.. e não terminou!!! Cheguei a sonhar com uma continuação… hoje achei o teu blog… nossa… não vou mais pirar?! rsrs.. muito grata!!! parabéns!!

  65. André Oliveira disse:

    Ansioso para a próxima parte. Parabéns

  66. Carol disse:

    Obrigada! 🙂

  67. Olá! acabei de assistir a 4ª temp: e to fascinada, não entendo como cancelaram a série, uma das melhores q ja assisti, fiquei contente de achar o seu blog com a tradução dos livros, ja li 2 cap, e a tradução ta ótima, parabéns.

  68. Anna disse:

    Olha… não sei se você ainda lê comentários mas eu tô amando esse blog… Estava desesperada quando descobri que a série tinha sido cancelada antes do final… Muito obrigada Vinícius.. mesmo valeu cara

  69. Heloiza disse:

    Obrigada cara, vc me salvou!

  70. Karine disse:

    Muito feliz de achar esse blog. Conheci esse ano a série e assisti toda em uma semana e queria o final. Já procurei os livros e nada. Muiiiito obrigada

  71. Edaniele disse:

    Conheci a série este ano através do Netfli. Pesquisei e soube que não teria final filmado mas sim dois livros para não deixar a história sem desfecho. Sabendo disso me encorajei a assistir a série e na busca pelos livros encontrei este Blog. É obvio que só temos a agradecer. Adorei a série. Ainda não li o final mas vamos lá.rs

  72. tau disse:

    Tambem estou um pouco atrasada, kkk e estou realmente de cara por não ter continuação da série. Achei incrível os atores e a história. muuuito obrigada por ter traduzido o livro. Não teria muio empenho e capacidade de ler em inglês haha

  73. tau disse:

    Acabei de ver que sua ultima postagem foi em Julho, que pena!! seu trabalho é muito bom, meus parabéns 🙂

  74. Priscila disse:

    Boa noite, conheci seu blog hoje e quero te dar parabéns pela iniciativa. Vou ler todos os capítulos e vou deixam comentários em todos. Obrigada por nós proporcionar este momento.

  75. Flávio disse:

    Gostei da série, e terminei de ler os dois livros q vcs disponibilizaram ontem, obrigado.

  76. Foi um achado encontrar seu blog. Acabei de assistir à série no netflix e fiquei frustrado em ver que a série praticamente não teve fim. O fim seria o livro da 5 e 6 temporadas. Espero que eu consiga Ler aqui essas duas temporadas, caso não tenha, POR FAVOR, envie-ne o livro em pdf. Abraco e sucesso

  77. Myrna disse:

    1º capitulo lido…. e a curiosidade só aumenta, rs – Valeu pela iniciativa.

  78. Gabriel disse:

    Cara… Eu tô meio atrasado, mas conheci a série agora e ela foi uma das MELHORES que eu já assisti, meu Deus. Você é o nosso Jordan, haushaus.

  79. chiara disse:

    muito bom =D

  80. Meire disse:

    Amei o seriado fiquei chateado por não terem dado um final ao msm.
    Fico “p” da vida quando fazem isso com os seriados, estou querendo ler os livros

  81. Parabéns obrigado mesmo!! Estava aflita por ñ ter a continuação do seriado

  82. Pedro disse:

    Está de parabéns, excelente tradução

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s