The 4400 – Promises Broken (Capítulo 9 traduzido)

Publicado: 5 de setembro de 2010 em The 4400

Capítulo nove, traduzido por Vinícius Fernandes (eu).. Haha =D

NOVE

 

KYLE BALDWIN ADENTROU o de fato “centro de crise” da Fundação Collier, uma sala de reuniões num subnível protegido, seguido por Cassie — sua habilidade promicina personificada como uma mulher ruiva de seu subconsciente, uma conselheira que somente ele podia ver ou ouvir.

            Limpando o suor de sua testa e do seu cabelo loiro curto e sujo, ele anunciou sua presença às quatro pessoas que haviam atendido ao seu chamado urgente.

            — Escutem. — Os outros viraram para olhá-lo. Ele recitou o que Cassie lhe mandara dizer: — Maia diz que temos um míssil vindo na direção do porto. Está vindo da água, então provavelmente foi lançado de um navio. O primeiro trabalho é parar aquele míssil. Então vamos nos juntar.

            Ele sentiu Cassie assomando-se às suas costas enquanto jogava o braço esquerdo por sobre os ombros de Lucas Sanchez, um telepata gestáltico¹ de cabelos e bigodes negros que tinha por volta de quarenta anos, e apoiava o seu braço direito nas costas de Renata Gaetano, uma italiana de cabelo loiro tingido e de cintura larga. Ela, que adquirira sua habilidade há alguns meses durante aquilo que Jordan chamava de “O Grande Passo Adiante” e o resto da cidade chamava de epidemia 50/50, era uma eletrocinética com ênfase em destruir e controlar equipamentos e sistemas eletrônicos.

            Ao lado direito dela estava Hal Corcoran, mais um voluntário que tomara promicina. Com sessenta anos recém-completados, ele era um homem pesado que tivera sua visão roubada pela diabetes. No que parecia a Kyle uma espécie de justiça de carma, o homem cujos olhos estavam escondidos por óculos escuros de lentes opacas adquirira a habilidade de visão remota; sua habilidade em particular permitia que ele visualizasse grandes áreas e depois se aproximasse dos alvos de interesse, até mesmo daqueles movendo-se a grandes velocidades.

            Completando o círculo estava Kemraj Singh, um homem magro do Paquistão. Um dos 4400 originais, Kemraj era um poderoso hidrocinético. Enquanto ele fechava sua mão escura sobre a de Lucas, fechou os olhos. Kyle fez o mesmo, e Lucas ativou seu dom.

            Participar da telepatia gestáltica era uma das mais estranhas sensações que Kyle já sentira. Todos os que estavam no círculo tornaram-se parte de uma pequena mente, ligada pela habilidade de Lucas. O primeiro sentimento da conexão era físico. Cada membro do círculo sentia a respiração do outro. Em poucos segundos, suas respirações estavam sincronizadas. Cinco mentes tornaram-se uma. Os pensamentos passaram instantaneamente de uma pessoa a outra. Mas ainda que estivessem unidos mentalmente, suas vozes continuaram distintas.

            — Encontrem o míssil — sussurrou Kyle, sabendo que seria ouvido mesmo se não falasse em voz alta.

            Hal foi o primeiro a se distanciar, espalhando sua visão especial por sobre a Terra Prometida. Virando para oeste, o céu cheio de nuvens refletia-se nas águas de cobalto de Elliot Bay. Lançando-se para frente, eles distanciaram-se da cidade, por cima de West Seattle, e por cima da espumante e bonita Puget Sound².

            Contra a superfície curvilínea da água, Hal avistou um veloz rastro branco vindo do sentido contrário. Ele concentrou-se na ponta do míssil que vinha na direção deles.

            — Ali — disse.

            — Deixa comigo — disse Renata. Kyle sentiu a mente dela aproximar-se do míssil e fazer contato com seu sofisticado sistema eletrônico. Enquanto ela preparava-se para lançá-lo na direção de um espaço vazio em Elliot Bay, a respiração de Cassie ficou quente na nuca de Kyle quando ela sussurrou para ele:

            — Impeça ela.

            — Pare — disse Kyle. Por causa de experiências passadas ele sabia que nenhum dos outros podia ver ou ouvir Cassie, mesmo com a ligação gestalt.

            Como que seduzindo-o, Cassie continuou:

            — Não estrague essa oportunidade, Kyle. — Ele virou a cabeça para vê-la sorrindo, o que o fez imaginar que plano sinistro ela matutava.

            Através da visão remota de Hal, a linha do horizonte estendeu-se em vista, ficando maior a cada segundo.

            — Kyle…? — perguntou ele.

            Renata acrescentou:

            — O que quer que eu faça, Kyle?

            No momento seguinte ele ouviu sua voz falando em sincronia com a dela, como se tivesse se tornado sua marionete.

            — Deixe o míssil pairar pela cidade — disseram em uníssono. — Então jogue-o de volta para o navio que o disparou.

            Ele não conseguia acreditar nas palavras que saíam de sua boca. Seus sentimentos de choque e hesitação refletiam-se nos rostos dos outros no círculo.

            — Faça logo — ele e Cassie disseram.

            Concentrando-se em seus pensamentos, Renata tomou controle do míssil. Kyle sentiu-o vacilar sob o comando da moça e ela guiou-o por uma curva aberta da cidade que era perigosamente perto dos prédios mais altos do centro. Então ele estava em uma trajetória contrária, arremessado por sobre Elliot Bay, voando tão baixo que Hal podia ver seu reflexo na superfície da água.

            Kyle falou mais palavras quando Cassie as colocou em sua boca.

            — Renata, mantenha o míssil em movimento. Hal, encontre o navio de onde ele veio. — Na velocidade de um pensamento, Hal projetou sua vista por cima de Puget Sound, seguindo o rastro que se dissipava do míssil até um navio de guerra do Exército Americano. — Kemraj — disse Kyle/Cassie. —, afaste toda a água das hélices… e segure firme.

            Cassie direcionou a concentração de Kyle em uma parte específica do casco do navio e disse-lho o que fazer.

            — Atinja o convés perto da arma que disparou — ele disse a Renata. — E ferre com a defesa deles.

            — Tudo bem — disse Renata com uma relutância óbvia.

            Todos obedeciam às ordens de Kyle. Não havia nada que ele pudesse fazer a não ser ficar assistindo — e ouvindo, horrorizado, Cassie sorrindo com uma alegria maliciosa.

 

 

Notas:

¹ A palavra Gestalt tem origem alemã e surgiu em 1523 de uma tradução da Bíblia, significando “o que é colocado diante dos olhos, exposto aos olhares”.

²Puget Sound é um sistema de caminhos aquáticos que dão na Costa Pacifica.

Anúncios
comentários
  1. Fábio Magalhães disse:

    A cassie é o demonio haha 🙂
    Fiquei imaginando, sera que tem alguma coisa implantada no Kyle ainda, do futuro, que junto com a promicina gerou a Cassie?
    Seria o outro lado (os que mandaram os 4400 de volta) muito diferentes dos marcados ?

  2. Aline disse:

    putz, queria mt ver essa habilidade compartilhada na tv….

    cassie é do mal… sempre soube.

    bjs, ate a proxima.

  3. Marcelo disse:

    interessante essa sua teoria fabio….eu to tentando lembra quem q tomou conta da mente do kyle pra ele mata o jordan….vc ateh pode ta certo os caras “do mal” tem os marcados e os “do bem” tem o kyle….to imaginando a repercução q vai dar esse navio (de guerra americano) sendo destruido pelo povo da cidade prometida…

    • Fábio Magalhães disse:

      Não se sabe quem do futuro comandou o corpo do Kyle quando Jordan foi morto. Até onde eu sei, não foi citado o nome da pessoa que executou Jordan. Entre outras coisas, ele ou ela (vai saber rs) disse apenas que era um ser humano como Tom (lembram-se do episódio em que Kyle foi baleado e da conversa entre esta pessoa do futuro e Tom?)
      Agora, uma possibilidade é que Cassie seja um lado obscuro de Kyle, que vem do seu subconsciente ( o subconsciente foi ate citado como sendo o lugar de onde Cassie vem, ou pelomenos foi usada esta palavra no primeiro livro). Bom, quem sabe a gente não vai saber quem foi que “possuiu” Kyle e cometeu o assasinado do Jordan na serie de TV neste livro 🙂

  4. douglas disse:

    obrigado por mais uma tradução.
    espero q continuem tendo animo e disposição para ocntinuar traduzindo para nós
    obrigado e parabens pelo trabalho e esforço mto bem feitos.

  5. Fábio Magalhães disse:

    É nois na fita 🙂 rs

  6. Roger disse:

    a carrie eh d+, rs, aos poucos ta se tornando mais e mais dominante, to gostando disso, mas fiquei curioso pra saber a reação do jordan a isso, rsrsrsrs

  7. Gente, no seriado, lá pelos últimos capítulos, a Isabele (filha do Richard) conta pro Kyle q foi ela, ainda bebê, que o fez atirar no Jordan; pq ela tinha visto nele muito orgulho e ganâncias (algo assim), inclusive ela enganou o Jordan, dando uma falsa visão dele sendo condecorado no futuro. E, de certa forma, foi com essa atitude q Isabelle corrigiu o Collien, fazendo a habilidade 4400 dele aparecer, com a Resureição e vindo a se tornar o Grande Messias.

  8. Jun disse:

    Que medo da Cassie! KkkkkkKk Muito legal, estou só imaginando a cena dela “controlando” o Kyle! Com a voz da Eden, do Heroes!

    Obrigado pela tradução!!

  9. Drika disse:

    Eu sabia q a Cassie era do mal.

  10. Muca Velasco disse:

    Tah ficando cada vez mais tenso o/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s